quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

SANTA MARIA, MÃE DE DEUS

Maria é mãe e superiora geral e espiritual da congregação religiosa Filhos da Caridade. Também, o papa Paulo VI instituiu na década de 60 o primeiro dia do ano (primeiro de janeiro) como o momento para refletirmos sobre a paz.
Somos chamados a representar o presépio colocando Deus-Jesus Cristo no centro da vida. Tudo vem d'Ele, por Ele e com Ele, e quando adotamos esta dimensão cristocêntrica as maravilhas são percebidas. Tal qual Maria, a mãe de Deus (Maria é chamada de mãe 25 vezes nos Evangelhos), não precisamos de muitas palavras, mas somos motivados a:
  1. Guardar o que Deus nos fala
  2. Meditar o projeto de Deus na nossa vida e na vida dos pobres e trabalhadores.
  3. Glorificar a Deus, através da prática da caridade para com o irmão ou irmã.
Deus está conosco, Ele é o Emanuel, é ele que nos abençoa dando vida e por consequência, a oportunidade de promovermos a Caridade. Doravante, somos filhos(as) de Deus em Cristo e igualmente a Jesus Cristo, vamos fazer o que nos ensinou o Homem de Nazaré.
Padre Luiz Carlos, fc.

domingo, 26 de dezembro de 2010

SAGRADA FAMÍLIA DE NAZARÉ

A solenidade da Sagrada Família de Nazaré foi proclamada pelo papa Leão XIII no século XX e o Concílio Vaticano II fixou esta data para o primeiro domingo após o dia 25 de dezembro.
Esta solenidade quer nos mostrar aspectos desafiadores e os ensinamentos oriundos de Jesus, Maria e José.
DESAFIOS
A família atualmente sofre várias agressões por parte de muitos Herodes existentes. Muitas pessoas promovem o narcotráfico, os vícios do álcool, do tabagismo e do jogo; o individualismo e o consumismo também atrapalham; existe uma busca extravagante de poder no sentido de exibicionismo; o fanatismo em muitas dimensões é um fato e infelizmente, muitas famílias são desonestas, por seguirem a filosofia de querer levar vantagem em tudo.
Estas anomalias vão na contramão dos ensinamentos da Sagrada Família!
ENSINAMENTOS DA SAGRADA FAMÍLIA
Os tempos são outros, porém os ensinamentos da Sagrada Família são muito atuais:
Tal qual Maria, José e Jesus Cristo fizeram, vamos ensinar os nossos semelhantes a rezar e viver os valores éticos-morais-cristãos; honrar pai e mãe e evitar a prática do adultério (quarto e sexto mandamentos da lei de Deus); enfrentar os problemas com misericórdia, bondade, humildade, mansidão, paciência, e amor ao próximo; e antes de brincar que o homem seja pai e a mulher seja mãe.
Família é a célula vital de nossa sociedade e vamos trabalhar para que esta sejamos sinal de vida nos lugares em que estivermos, proclamando sempre o Evangelho de Jesus Cristo e integrando "Fé e Vida'.

SÃO JOÃO EVANGELISTA (27 de Dezembro)

João, filho de Zebedeu e Salomé, irmão de Tiago Maior, de profissão pescador, originário de Betsaida, como Pedro e André, ocupa um lugar de primeiro plano no elenco dos apóstolos. O autor do quarto Evangelho e do Apocalipse, será classificado pelo Sinédrio como indouto e inculto. No entanto, o leitor mesmo que leia superficialmente seus escritos percebe não só o arrojo do pensamento, mas também a capacidade de revestir com criativas imagens literárias os sublimes pensamentos de Deus. A voz do juiz divino é como o mugido de muitas águas.
João é sempre o homem de elevação espiritual, mais inclinada à contemplação que à ação. É a águia que desde o primeiro bater das asas se eleva das vertiginosas alturas do mistério trinitário: "No princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus".
Ele está entre os mais íntimos de Jesus e nas horas mais solenes de sua vida João está perto. Está a seu lado na hora da ceia, durante o processo, e único entre os apóstolos, assiste sua morte junto com Nossa Senhora. Mas contrariamente a tudo que possam fazer pensar as representações da arte, João não era um homem fantasioso e delicado. Bastario o apelido que o Mestre impôs a ele e a seu irmão Tiago: "Filhos do Trovão" para nos indicar um temperamento vivaz e compulsivo, alheio a compromissos e hesitações, até aparecendo intolerante e cáustico.
No seu Evangelho designa a si mesmo simplesmente como "o discípulo que Jesus amava". Também se não nos é dado indagar sobre o segredo desta inefável amizade, podemos adivinhar uma certa analogia entre a alma do Filho do Homem e a do filho do trovão, pois Jesus veio a Terra não só para trazer a paz mas também o fogo. Após a ressurreição, Jesus está quase constantemente ao lado de Pedro. Paulo, na epístola aos gálatas, fala de pedro, Tiago e João como colunas da Igreja.
No apocalipse, João diz que foi perseguido e degredado para a ilha de Patmos "por causa da Palavra de Deus e do testemunho de Jesus Cristo". Conforme uma tradição unânime ele viveu em Éfeso em companhia de Nossa Senhora e sob o imperador Domiciano foi colocado dentro de uma caldeira de óleo fervendo, daí saindo ileso e todavia com a glória de ter dado testemunho. Depois do exílio de Patmos tornou definitivamente a Éfeso, onde exortava continuamente os fiéis com amor fraterno, como resulta das suas três cartas, acolhidas entre os os textos sagrados, como também o Apocalipse e o Evangelho. Morreu carregado de anos em Éfeso durante o império de Trajano (98-117) e aí foi sepultado.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

É NATAL!


"Do sol nascente ao poente


cantai, fiéis, neste dia,


ao Cristo Rei que, por nós,


nasceu da Virgem Maria".




É Natal! Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, o primeiro Filho da Caridade que existiu.


É tempo de ser Igreja, caminhar juntos e participar da missão evangelizadora.


É momento de renovar as esperanças e trabalhar pelo Reino da Vida.


É hora de viver com prudência e desenvolver o senso crítico.


Que saibamos testemunhar a em Deus encarnado, nos locais de trabalho e nas nossas famílias e comunidades.


Que vivamos segundo a justiça que vem de Deus.


Sejamos Igreja compromissada com a Caridade, à luz do Evangelho.


Sejamos fortes, mostrando que a nossa fortaleza está em Jesus Cristo a Pedra Angular.


Sejamos pessoas sensatas, agindo com temperança, na tomada de nossas decisões.




O Natal sempre acontece em nossos dias. Basta que consigamos colaborar na harmonia dos reinos animal, vegetal e mineral. Que haja amor a todos sem distinções ou preconceitos.


Deus está entre nós, caminha conosco e assim convido a todas as famílias: cantemos parabéns a Jesus Cristo e se for do vosso agrado, cantemos os parabéns também à nossa Congregação Religiosa Filhos da Caridade, pois neste dia 25 de dezembro estaremos completando 92 anos de existência (25/12/1918)


A todos os amigos e amigas, Feliz e Abençoado Natal, e em 2011 continuamos juntos cantando, louvando e seguindo o Homem de Nazaré.


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

AUMENTO ABUSIVO DOS PARLAMENTARES - DEPUTADOS FEDERAIS E SENADORES.

Está escrito no livro da Sabedoria: (Sb 2, 6-11)
"Sendo assim, vamos gozar os bens presentes e usar as criaturas com ardor juvenil. Vamos embriagar-nos com os melhores vinhos e perfumes, e não deixar que a flor da primavera escape de nós. Vamos coroar-nos com botões de rosa, antes que murchem. Que nenhum de nós fique fora de nossas orgias. Vamos deixar por toda parte sinais de nossa alegria, porque essa é a nossa sorte e o nosso destino. Vamos oprimir o pobre inocente e não vamos poupar as viúvas, nem respeitar os cabelos brancos do ancião. A nossa força será regra da justiça, porque o fraco é claramente coisa inútil".
Este texto pode muito bem ser aplicado aos parlamentares eleitos e que tomarão posse em janeiro, pelo menos deveriam aparecer na câmara dos deputados e do senado, no início do ano. Sem generalizar, mas é uma apunhalada no povo este aumento nos salários dos deputados federais e dos senadores.
Na campanha política muito se falou no aumento real do salário mínimo e num tom de provocação, a campanha do PSDB tirava a nota de R$ 10,00 (de cor vermelha) trocando-a pela nota de R$ 100,00 (nota azulada), prometendo um salário mínimo de R$ 600,00 quando o DIEESE aponta que o salário mínimo ideal à família brasileira (casal com dois filhos) precisa ser de R$2.000,00. Quando se fala em aumento para o trabalhador(a) é sempre a mesma falácia: "Com este aumento, a previdência irá quebrar". Causa estranheza escutar que a nossa previdência (INSS) pode ir à falência quando o aumento dos trabalhadores é irrisório, enquanto que a previdência dos congressistas, a tal da IPC (Instituto de Previdência dos Congressistas) nunca tem dificuldades econômicas.
Tenho raiva quando fico vendo maus políticos, como o Paulo Maluf, receber um diploma de posse, mesmo enquadrado na lei da Ficha Limpa, uma iniciativa popular; quando este cidadão deveria receber uma ordem de prisão por ter cometido tantos crimes comprovados contra o erário nacional. Sei que como sacerdote devo pregar a Palavra de Deus, e por isto mesmo creio que a minha obrigação profética deve denunciar estes políticos gananciosos, injustos e promotores da grande desigualdade social que vivemos em nosso país.
Esses políticos, novamente aviso que não estou generalizando, pois existem parlamentares éticos, com ótima idoneidade moral e praticantes dos valores cristãos; que aprovaram este aumento abusivo em seus próprios salários são uma vergonha nacional, pessoas que optaram a seguir o deus do ter.
Na Campanha da Fraternidade de 2010 veio uma proposta: "Vós não podeis servir a Deus E ao dinheiro". Infelizmente a maioria dos parlamentares fizeram a escolha pelo dinheiro, não pensaram na projeto de vida e liberdade que Deus tem para todos e não apenas para alguns privilegiados. Sei que este escrito não será importante e até será esquecido para boa parte dos eleitores, sei também que os deputados e senadores não darão muita bola, porém, como gostaria que todo o nosso povo escrevesse uma carta para os políticos eleitos, condenando este gesto abusivo e ganancioso.
Estou escrevendo protestando contra todos vós que aumentaram seus salários abusivamente, e em nome do Deus do Ser, este Deus que sou seguidor, não tenho comprometimento com políticos interesseiros, mesquinhos e egoístas, mas o governante que sigo e adoro é Jesus Cristo, o Filho de Deus que denunciou as autoridades políticas injustas de seu tempo e lembrem-se o povo pode estar um pouco adormecido, mas tomem cuidado quando a nossa gente acordar.
Enfim, a todos vós que votaram pelo aumento dos próprios salários:
"VAMOS TER UM POUCO DE VERGONHA NA CARA"
Padre Luiz Carlos, fc

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

IV DOMINGO DO ADVENTO (ANO A)

A origem de Jesus guarda particularidades capazes de guiar a caminhada humana. Jesus Cristo será educado por uma família tradicional (pai e mãe). Apesar da gravidez de Maria, escândalo para alguns(as), José é justo e não entra no rigorismo da lei, mas quer preservar a vida.
José escuta o mensageiro de Deus e não toma decisão pelo coração. Ele, o pai adotivo de Jesus Cristo, faz a vontade de Deus e solidifica a instituição família, mostrando que acolhe o diferente, desde que seja da vontade de Deus e assim, José caminha à santidade.
"O Rei da Glória é o Senhor onipotente;
abri as portas para que ele possa entrar!
Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra,
o mundo inteiro com os seres que o povoam."
(Sl 23)

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

PREPARANDO O NATAL

Durante quatro semanas, a Igreja nos prepara para celebrarmos o nascimento de Jesus Cristo. Embora distante no tempo, o Natal de Belém, é um acontecimento atual, porque o Senhor Menino continua nascendo entre nós cada dia, a cada instante, nos gestos de amor, nos testemunhos de justiça e nos sinais de fraternidade, até o fim da história. Ele veio ao mundo para revelar o Pai e propor que os seres humanos vivam como irmãos; para fazer-se presente entre nós, na medida em que a convivência humana se enriquece com relacionamentos fraternos. Infelizmente a humanidade tem sido lenta na aprendizagem dessa virtude, pois ainda soletra mal a cartilha da fraternidade. Mais de 20 séculos de civilização cristã não bastaram para a terra tornar-se o berço da reconciliação universal profetizada por Isaías, mundo em que o cordeiro e o lobo são amigos e as criancinhas não se envenenem ao brincarem com a serpente.
Dia 25 deste mês, festejamos o nascimento de Jesus. É uma solene data no calendário litúrgico, assinalada por uma celebração que toca muito o coração das pessoas, mesmo o das que não se pautam pelas propostas da Igreja. Entretanto toda celebração da fé implica um compromisso. Não se pode, portanto, comemorar o Natal numa sociedade onde se encontrem seres humanos miseráveis, que buscam sobras de alimentos em torno de mesas fartas e árvores carregadas de presentes, à vista de gente que nada possui. Atrás da cortina sonora das músicas natalinas, ouvem-se ainda os gemidos dos pobres, os preferidos do Menino de Belém. Tamanha desigualdade nega o Natal. É possível celebrá-lo num contexto tão contrário ao projeto de Deus?
A Igreja nos oferece o Advento para apressarmos a conclusão do reino messiânico inaugurado por aquela criança nascida pobre, na humildade de uma gruta.
Dom Geraldo Majella Agnelo
Cardeal Arcebispo de Salvador.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

O QUE É QUE DEUS ESPERA DE MIM?

"Senhor, que queres tu que eu faça? Mostra-me o caminho a seguir.
Nas decisões que devo tomar hoje, o que é que pode orientar a minha escolha?
O meu conforto?
O meu sucesso e a minha glória pessoal?
Ensina-me a repetir com toda a verdade: 'Pai, que o teu nome seja santificado, que a tua vontade seja feita...'
É abrindo os olhos, as mãos, o coração aos outros, àqueles que estão à espera de um pouco mais de justiça, de paz e de ternura que poderei descobrir o que queres que eu faça.
Jesus, tu que partilhaste as alegrias e os sofrimentos dos homens, sê meu companheiro nas humildes tarefas de cada dia e nas minhas escolhas.
Espírito Santo, que as provas que eu encontre não me fechem sobre mim mesmo, que elas sejam ocasião para escutar o sofrimento dos outros e para me unir a Jesus que deu a sua vida".
Padre Jean-Emile Anizan
Fundador da Congregação Religiosa "Filhos da Caridade".

JESUS É O MESSIAS?

Muitas pessoas na época de Jesus Cristo estavam curiosos e m saber se Ele é o verdadeiro Messias (Messiah). Jesus é Deus e seu messianismo não é teoria ou simples palavras, porém, tem um sentido muito prático.
O messianismo de Jesus Cristo se caracteriza em:
  1. Por ordem no mundo: Deus é Criador onipotente, onisciente e onipresente.
  2. Defende e trabalha pela justiça: Deus sabe que a justiça se baseia nas condições humanas que todas as pessoas tem direito, e conta com a nossa colaboação para promover a justiça.
  3. Salvação: Somente Deus salva e nenhum outro meio, inventado pelo ser humano pode conduzir os seres vivos à salvação.
  4. Reintegra as pessoas na sociedade: Curar os doentes, libertar o ser humano e ver as pessoas enxergarem a realidade com outros olhos é sinal da salvação Divina, na medida em que há inclusão e não exclusão humana.
Jesus é o Messias, o verdadeiro Deus que veio ao mundo caminhando e ensinando as pessoas, mostrando que a Salvação não é gesto abstrato, mas, uma prática de vida.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

São João da Cruz (14 de dezembro)

Tereza de Jesus chamava-o de seu pequeno Sêneca, brincava amavelmente com a sua baixa estatura apelidando-o de meio homem, mas não hesitava em considerá-lo o pai de sua alma, afirmando também que não era possível discorrer com ele sobre Deus sem vê-lo em êxtase. Vinte e sete anos mais jovem que Tereza (nasceu em 1542 em Fontiveros) João de Yepes é uma das figuras mais desconcertantes e ao mesmo tempo mais transparentes da mística moderna.
Verdadeiro mestre de vida espiritual, resumia o novo ideal da vida monástica em breves sentenças: "Não faça coisa alguma, nem diga palavra alguma, que Cristo não faria ou não diria se se encontrasse nas mesmas circunstâncias de você, e tivesse a mesma saúde e idade suas". "Nada peça a não ser a cruz, e precisamente sem consolação, pois isso é perfeito". "Renuncie a seus desejos e encontrará o que o seu coração deseja".
Ingressou na Ordem dos Carmelitas aos 21 anos, após ter dado prova de sua imperícia nas várias ocupações às quais a família, muito pobre, tentou encaminhá-lo. Foi atacado por uma grande desilusão pelo relaxamento da vida monástica em que viviam os conventos carmelitas. Quis remediar passando dos carmelitas aos cartuxos, cujas regras severas pareciam mais condizentes com seu fervor ascético. Mas a essas alturas aconteceu o seu encontro com Teresa de Jesus, a reformadora dos carmelitas.
A santa fundadora tinha em mente ampliar a reforma também aos conventos masculinos da Ordem Carmelita, e seu tino delicado fê-la entrever naquele jovem frade, pequeno, extremamente sério, fisicamente insignificante, mas rico interiormente, o sócio ideal para levar adiante o seu corajoso projeto. E o jovem de 25 anos deu logo prova de grande coragem. Desde esse dia trocou o nome, chamando-se João da Cruz e pôs mãos à obra na reforma, fundando em Durvelo o primeiro convento dos carmelitas descalços. Mas a volta à mística religiosidade do deserto custou ao santo fundador maus tratos físicos e difamações: em 1577 foi até preso por oito meses no cárcere de Toledo. Mas foi nessas trevas exteriores que se acendeu a grande chama da sua poesia espiritual. "Padecer e depois morrer" era o lema do autor da Noite escura da alma, da Subida do monte Carmelo, do Cântico Espiritual e da Chama de amor viva. Morreu no convento de Ubeda, aos 49 anos, a 14 de novembro de 1591. Canonizado em 1726, dois séculos depois Pio XI lhe conferiu o título de doutor da Igreja.
"UM SANTO PARA CADA DIA"
Mario Sgarbossa
Luigi Giovannini

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

A MORTE DE JOÃO BATISTA É SINAL DA MORTE DE JESUS.

Até a chegada da revelação de Deus em Jesus Cristo, muitos profetas deram sua vida em prol do projeto de vida e liberdade de Deus para o seu povo eleito. Infelizmente, o movimento profético incomodava os privilegiados de todas as épocas históricas e assim, Jesus Cristo criticava estas pessoas que perseguiam e matavam os oráculos de Deus.
A missão dos profetas era colocar uma ordem mais justa numa sociedade muita injusta e esta atuação incomodava os ricos. Estas elites incomodadas tramavam contra a vida dos profetas inclusive, Elias e João Batista são exemplos destes martírios.
Com a chegada de Jesus Cristo, tal situação não foi diferente. O Filho de Deus foi perseguido pelos fariseus, mestres da Lei, herodianos, saduceus e outras pessoas ricas, culminando na crucificação de Jesus Cristo. Portanto, quem segue Jesus Cristo será odiado por uns e admirado por outros e mesmo diante do desafio, vamos:
"AMAR COMO JESUS AMOU,
SONHAR COMO JESUS SONHOU,
PENSAR COMO JESUS PENSOU,
VIVER COMO JESUS VIVEU,
SENTIR O QUE JESUS SENTIA,
SORRIR COMO JESUS SORRIA,
E AO CHEGAR O FIM DO DIA,
EU SEI QUE SENTIRIA MUITO MAIS FELIZ".

SAN JUAN DIEGO (11 de Dezembro)

Juan Diego, natural do México e viveu de 1474 a 1548, pertencia à mais numerosa e baixa classe do império azteca e era um índio muito pobre. Ao pé do monte Tepeyac, ele teve uma visão pela qual Nossa Senhora aparecia a ele, pedindo que o indígena fosse conversar com o bispo para erigir uma Igreja neste monte. O bispo da diocese, João de Zumarraga não dava ouvidos a Juan Diego e depois de tanta insistência por parte do nativo, o episcopo concordava com tal pedido desde que houvesse uma prova capaz de provar a aparição da Virgem Santa.
Durante este período de busca pela prova, o tio de Juan Diogo caiu enfermo e esteve à beira da morte, porém, com a intercessão de Nossa Senhora, Deus providenciou a recuperação de sua saúde e por fim, de um lugar árido e castigado pelo inverno, nasceram rosas vermelhas dadas por Nossa Senhora de Guadalupe ao indio a fim de que fossem apresentadas ao bispo.
Quando Juan Diego chegou na Igreja, o bispo não acreditava no surgimento de alguma prova. Foi neste momento, com a Igreja lotada que Juan Diego entregou as rosas (flores impossíveis de serem colhidas no México, principalmente no inverno) no altar e no tecido estava estampada a imagem de Nossa Senhora de Guadalupe.
Desde então, a devoção à Nossa Senhora de Guadalupe cresceu e hoje na cidade do México - DF, é o maior gesto devocional do continente americano. A Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe se situa na cidade do México e está erigida na praça Pan-Americana.
"Ó Deus, que o exemplo de vossos santos nos leve a uma vida mais perfeita e, celebrando hoje a memória de San Juan Diego, imitemos constantemente suas ações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, na unidade do Espírito Santo".

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

III DOMINGO DO ADVENTO - Eis que envio o meu mensageiro à tua frente.

Mensageiro é aquela pessoa que leva mensagem ao outro e dependendo da mensagem, muitas pessoas desejam saber quem é o mensageiro.
Neste terceiro domingo do advento, também chamada de "gaudette" ou "domingo da alegria" as pessoas vão perguntar a Jesus Cristo se Ele é o Messias esperado pelo povo judeu. Jesus Cristo não fala abertamente "Eu sou o Messias", mas mostra alguns sinais messiânicos em favor dos pobres, marginalizados e excluídos da sociedade. Os pobres da época de Jesus Cristo são os cegos, surdos, paralíticos, mudos, exilados, leprosos, os mortos socialmente e os oprimidos pelos ricos. Jesus Cristo atua por estas pessoas pertencentes à classe desfavorecida, onde a vida está mais ameaçada. Na continuidade da missão salvadora, a nossa Igreja é chamada a atuar pelos novos rostos de pobreza - migrantes, enfermos, soropositivos, detentos e moradores de rua - desafiada a fazer boas obras em prol dos novos rostos de pobreza.
Também, Jesus Cristo não delega sua missão a ninguém e num bonito gesto de humanidade, fala muito bem de João Batista o mensageiro precursor que prepara o caminho do Senhor. João Batista preparou o caminho do Senhor e agora, somos chamados a fazer o mesmo, trabalhando pela evangelização e levando as pessoas ao encontro com Cristo.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

IMACULADA CONCEIÇÃO DE MARIA (08 de Dezembro)

Para ser a Mãe do Salvador, Maria "foi enriquecida por Deus com dons dignos para tamanha função" (LG 56). No momento da anunciação o anjo Gabriel a saúda como "cheia de graça" (Lc 1, 28). Efetivamente, para poder dar o assentimento livre da sua fé ao anúncio da sua vocação, era preciso que ela estivesse totalmente sob a moção da graça de Deus.
Ao longo dos séculos a Igreja tomou consciência de que Maria, "cumulada de graça" por Deus, foi redimida desde a concepção. É isto que confessa o dogma da Imaculada Conceição, proclamado em 1854 pelo papa Pio IX:
"A beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda a mancha de pecado original". (Ds 2803)
Esta "santidade inteiramente singular" da qual Maria é "enriquecida desde o primeiro instante de seu nascimento" lhe vem inteiramente de Cristo: "em vista dos méritos de seu Filho, foi redimida de um modo mais sublime" (LG 53). Mais do que qualquer outra pessoa criada, o Pai a "abençoou com toda a sorte de bençãos espirituais, nos céus, em Cristo" (Ef 1, 3). Ele a "escolheu nele, desde antes da fundação do mundo, para ser santa e imaculada na sua presença, no amor". (Ef 1,4).
Os padres da tradição oriental chamam a Mãe de Deus "a toda santa" (Panaghia), celebram-na como "imune de toda mancha de pecado, como que plasmada pelo Espírito Santo, e formada como nova criatura" (LG 56). Pela graça de Deus, Maria permaneceu pura de todo o pecado pessoal ao longo de toda a sua vida.
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA
A IMACULADA CONCEIÇÃO (CIC 490)

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

SANTO AMBRÓSIO (Bispo e Doutor da Igreja) - 07 de Dezembro

O jovem prefeito da Ligúria e da Emília, Ambrósio, nascido em Treves pelo ano de 340, era ainda catecúmeno, quando por aclamação popular subiu à sede episcopal em Milão. A respeito da religião cristã estava ainda por aprender quase tudo, e se dedicou sobretudo ao estudo da Sagrada Escritura com tanto empenho que logo a dominou. Ambrósio, porém, não era um intelectual puro; era sobretudo um ótimo administrador da comunidade cristã a ele confiada. Tornou-se um verdadeiro pai espiritual dos jovens imperadores Graciano, Valentiniano II e do temível Teodósio I que não hesitou em repreender asperamente, exigindo dele uma penitência pública de expiação quando, para conter uma revolta, fez massacrar a população de Tessalônica. Ambrósio é o símbolo da Igreja renascente, após os anos sofridos de vida escondida e das perseguições. Por meio dele a Igreja de Roma tratou sem sombra de servilismo com o poder público.
Foram as suas qualidades pessoais que impuseram o bispo de Milão à devota atenção de todos. A atividade diária de Ambrósio era dirigida antes de tudo à orientação da própria comunidade, e ele cumpria as suas tarefas pastorais dirigindo ao seu povo mais de uma homilia por semana. Santo Agostinho, que foi seu assíduo ouvinte, refere-nos em suas Confissões quão grande foi o prestígio da eloquência do bispo de Milão e quão eficaz o tom de voz deste apóstolo da amizade.
Os seus livros publicados e que chegaram até nós nada mais são que apressadas transcrições e reutilizações de discursos, pouco ou nada revisados. Os seus célebres Comentários exegéticos, antes de serem reunidos em volumes, tinham sido pregados à comunidade cristã de Milão. Aí encontramos o tom familiar do pastor que se dirige com amável simplicidade ao seu rebanho. Sente-se aí palpitar o coração de um grande bispo, que consegue suscitar a comoção nos ouvintes com argumentações carregadas de emotividade e de interesse. Como bom pastor gosta de fazer seu povo cantar. Compôs um bom número de hinos, alguns dos quais ainda hoje são bastante familiares na liturgia ambrosiana. Foi ele que introduziu no Ocidente o canto alternado dos salmos.
Entre os seus escritos que não tem realção direta com a sua pregação, recordamos os Deveres dos ministros, porque enfatizando o conhecido texto ciceroniano e acolhendo todos os elementos, demonstra que o cristianismo pode assimilar sem perigo de alterar o significado da Boa Nova os valores morais naturais que o mundo pagão, o romano em particular, soube expressar. Ambrósio morreu em Milão a 04 de abril de 397.
"UM SANTO PARA CADA DIA"
Mario Sgarbosa
Luigi Giovannini

domingo, 5 de dezembro de 2010

O BOM PASTOR

70...80...90... só uma não vejo: a ovelha de número cem. Estará perdida, vagando sozinha pelas ruas e vielas? Teria sido sequestrada? Teria sido vítima do tráfico de seres humanos? Estaria com fome, doente? Sem terra, sem teto, sem emprego, sem universidade? Entrou pelo mundo das drogas? Ou teria sido presa? Estaria viva? Enfim, por onde andará?
Eu sou o Bom Pastor, eu dei e dou a vida por minhas ovelhas. Vou em busca da ovelha perdida, ignorada, lá onde ela estiver.
Existem muitas ovelhas perdidas e ignoradas, mais do que vocês podem perceber! Elas não tem ninguém que as escute, que as olhe nos olhos, que tenha carinho e ternura diante de seu sofrimento, que participe de seus sonhos, de suas lutas, de suas alegrias e vitórias. Não tem quem caminhe com elas. Elas precisam de alguém, de um grupo, de uma comunidade. E vocês, jovens, precisam ir lá onde elas estão, lá nas novas fronteiras.
Eu sou o Bom Pastor deixo a vocês tudo aquilo que sou e tenho, para que vocês, jovens, revestidas e revestidos de minha força, sejam de fato, boas e bons pastores e conforme lhes pede este novo tempo.
Dou-lhes a segurança do meu cajado para que ele seja o compromisso de irem lá, onde estão outros jovens, levando amor no coração, palavras nos lábios e ternura no olhar.
Deixo-lhes minhas sandálias: o chão sagrado da realidade do jovem pobre, para que vocês sigam o caminho da justiça e deixem pegadas de amor.
Entrego-lhes o meu turbante, o turbante da mística e da espiritualidade que alarga os horizontes e que fará vocês pensarem a partir dos meus pensamentos.
Deixo-lhes o cinto da simplicidade com o qual quero vê-los e vê-las cingidos de ética, novo nome da transparência e honestidade.
Deixo-lhes o manto do desapego, do despojamento, que as tornará, os tornará simples e descomplicados.
Deixo-lhes a túnica do amor para cobrir a vida de bondade, de ternura e de solidariedade.
Dou-lhes meus ouvidos para que vocês possam ouvir seus familiares, amigos e amigas...
Ouvir os clamores, os gritos que nascem da terra, da natureza e, sobretudo, o grito mudo dos jovens que esperam uma mão amiga.
Dou-lhes meus olhos para que vocês possam enxergar para além das aparências, para que vocês jovens vejam o coração das pessoas. Lembrem-se: é a paixão que traz brilho no olhar.
Deixo-lhes meus pés, para abrirem caminhos novos, pisarem o chão da vida, com o compromisso de ajudarem na construção de um mundo mais justo e fraterno.
A vocês dou minhas entranhas, meu coração para que amem e sintam-se amadas, amados. Que o coração de vocês pulse pelas causas maiores da humanidade: a paz, o combate à fome, a tolerância religiosa, a saúde, a moradia, a terra, a educação de qualidade para todos.
Dou-lhes as minhas mãos para que trabalhem pelo estabelecimento da justiça e do direito: o Reino de Deus.
Entrego-lhes a minha boca, para que vocês anunciem o que a amente não pode mais calar, para que se realize a boa notícia: "Eu vim para que todos tenham vida e vida em abundância".
Recebam a minha benção, para que sejam uma benção para todas as pessoas que se aproximarem de vocês: em casa, na rua, no bairro, na escola, no local de trabalho, na Comunidade Cristã.
Envio vocês! Continuaremos caminhando juntos. Já sabem, eu estou sempre com vocês!
"Estarei com vocês até o fim!"

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

ELE VEM NOS TRAZER A SALVAÇÃO (II Domingo do Tempo do Advento - Ano A)

Neste domingo (05/12) o Evangelho nos apresenta João Batista. Duas atitudes do último dos profetas, antes do Filho de Deus, nos ajudam a preparar o coração para a chegada de Jesus Cristo
  • AUSTERIDADE
João Batista se apresenta vestido com roupas simples e comendo na simplicidade, sem por isso perder sua dignidade humana. Então, porque será que muitas famílias brasileiras transformam o Natal numa festa de consumo desenfreado?
João Batista prega no deserto, longe das cidades e de seus meios alienantes. Bem sabemos que nas megalópoles muitos meios influenciam a todos, inclusive muitos pobres que neste período "acreditam" serem ricos financeiramente.
As páginas bíblicas apontam e alertam para a cultura da austeridade, pois como dizia Gandhi:
"A natureza pode suprir todas as necessidades humanas, menos a ganância".
  • METANOIA
O termo grego "metanoia" significa (meta: mudança; noia: cabeça). Desta forma, metanoia significa mudar a nossa cabeça, a nossa mentalidade segundo o Evangelho de Jesus Cristo. A mudança de mentalidade passa por "endireitar as veredas" ou seja, trabalhar e se comportar diferentemente do sistema econômico vigente. Somos chamados a não ser bichos predadores uns dos outros, evitar preconceitos de qualquer gênero, formar, ao invés de deformar, a nossa consciência e a dos outros (não sejamos fariseus e nem saduceus), enfim vamos ser pessoas espirituais testemunhando os dons do Espírito Santo - Sabedoria, Entendimento, Conselho, Fortaleza, Ciência, Piedade e Temor de Deus - em todos os lugares, família, comunidade e sociedade.
Jesus Cristo vem trazer a Salvação (Ele mesmo é a Salvação) e feliz daquele(a) que acolhe esta "salvatio" pois estará acolhendo o próprio Filho de Deus.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

SANTO ANDRÉ (30 de novembro - Padroeiro da Diocese de Santo André)

André era irmão de Simão Pedro e como ele pescador em Cafarnaum, para onde tinham migrado ambos da cidade natal de Betsaida. Jesus, - é demonstrado pelas profissões exercidas pelos doze apóstolos - deu preferência aos pescadores, embora no meio do colégio apostólico os agricultores estivessem representados por Tiago Menor e seu irmão Judas Tadeu, e os comerciantes e homens de negócio estão honrados pela presença de Mateus. Dos doze, o primeiro a ser tirado das tranquilas e fecundas águas do lago de Tiberíades para receber o título pescador de homens, foi justamente André, seguido logo de João.
Os dois primeiros chamados haviam já respondido ao apelo do Batista, cujo grito os arrancava da pacífica vida do dia a dia para prepará-los para a iminente chegada do Messias. Quando o austero profeta lhes indicou Jesus, André e João se aproximaram dele e com emocionante simplicidade limitaram-se a perguntar-lhe: "Onde moras?", sinal evidente de que em seu coração já haviam feito a escolha.
André foi também o primeiro a recrutar novos discípulos para o Mestre: "André encontrou primeiro seu irmão Simão e lhe disse: 'Achamos o Messias'. E o conduziu a Jesus". Por isso André ocupa um lugar eminente no elenco dos apóstolos: os evangelistas Mateus e Lucas colocam-no no segundo lugar, logo depois de Pedro.
O Evangelho menciona o apóstolo André outras três vezes: na multiplicação dos pães, quando apresenta o menino com alguns pães de cevada e poucos peixinhos; quando se faz intermediário do desejo de forasteiros vindos a Jerusalém para serem apresentados a Cristo, e quando com a sua pergunta provoca a predição de Jesus da destruição de jerusalém.
Após a Ascensão, a Escritura cala por completo o seu nome. Os numerosos escritos apócrifos que procuram preencher de qualquer modo eese silêncio são muito cheios de fábulas para merecer crédito. A única notícia provável é que André tenha anunciado a Boa Nova em uma região de bárbaros, a selvagem Sícia, na Rússia meridional, como refere o historiador Eusébio. Também a respeito do seu martírio não há informações certas. A morte na cruz (uma cruz de braços iguais) é referido por uma Paixão apócrifa.
Igual incerteza tem suas relíquias, transportadas de Patrasso, provável lugar de seu martírio, para Constantinopla, depois para Amalfi. A cabeça, trazida a Roma em 1462, foi restituída à Grécia por Paulo VI. Antiga é a data de sua festa, lembrada a 30 de novembro já por São Gregório Nazianzeno.
Ocorreu um erro neste gadget

Bate Papo no Blog