domingo, 16 de janeiro de 2011

LITURGIA - O RITMO SEMANAL

O rito semanal é marcado pelo domingo, o dia em que o Senhor se manifestou ressuscitado. A história do domingo nasce na cruz e na ressurreição de Jesus. No primeiro dia da semana, quando as mulheres foram para embalsamar seu corpo, já não o encontraram mais. No domingo, Jesus apareceu vivo a vários dos discípulos, sozinhos ou reunidos; comeu e bebeu com eles e falou-lhes do Reino de Deus e da missão que tinham que levar adiante. O dia de Pentecostes, vinda do Espírito Santo, também aconteceu no domingo.
"Por Tradição Apostólica que tem sua origem no mesmo dia da ressurreição de Cristo, a Igreja celebra cada oitavo o mistério pascal, naquele que se chama justamente dia do Senhor ou domingo. Neste dia, pois, os fiéis devem reunir-se em assembleia para ouvirem a Palavra de Deus e participarem da Eucaristia, e assim recordarem a paixão, ressurreição e glória do Senhor Jesus e darem graças a Deus que os gerou de novo pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos para uma esperança viva. O domingo é pois, o principal dia de festa que deve ser lembrado e inculcado à piedade dos fiéis: seja também o dia da alegria e da abstenção do trabalho. As outras celebrações não lhe sejam antepostas, a não ser as de máxima importância, porque o domingo é o fundamento e o núcleo do ano litúrgico".
O domingo conforme rezamos no prefácio IX dos domingos do Tempo comum, é o dia em que a família de Deus se reúne para "escutar a Palavra e repartir o Pão consagrado, recordar a ressurreição do Senhor na esperança de ver o dia sem ocaso, quando a humanidade inteira repousar diante do Pai".
João Paulo II, na Carta apostólica sobre o Domingo (Dies Domini), apresenta as cinco características deste dia: Dia do Senhor, Dia de Cristo, Dia da Igreja, Dia do homem e Dia dos Dias. O mesmo papa nos pede, na carta Apostólica Mane Nobiscum Domine, que demos "uma atenção ainda maior à missa dominical, como celebração na qual a comunidade paroquial se reencontra em coro, comumente participantes também os vários grupos, movimentos, associações nela presentes".
"Por causa de sua especial importância, o domingo só cede sua celebração às solenidades e festas do Senhor. Os domingos do Advento, da quaresma e da Páscoa gozam de precedência sobre todas as festas do Senhor e todas as solenidades. As solenidades que ocorrem nestes domingos sejam antecipadas para o sábado."
O domingo exclui, por sua natureza própria, a fixação definitiva de qualquer outra celebração. São exceções somente as festas da Sagrada Família, do Batismo do Senhor, da Santíssima Trindade, de Jesus Cristo Rei do Universo, a comemoração de todos os fiéis defuntos, e, no Brasil, as solenidades de São Pedro e São Paulo, da Assunção de Nossa Senhora e de Todos os Santos e Santas.
Os dias que seguem o domingo, chamados dias da semana ou férias, celebram-se de diversos modos, segundo a importância própria. Para não repetir as orações das missas de domingo, é conveniente que, no Tempo Comum e não havendo celebração especial, se utilizem nesses dias os formulários das missas votivas e para diversas circunstâncias.
DIRETÓRIA DA LITURGIA 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Bate Papo no Blog