terça-feira, 16 de novembro de 2010

SANTA ISABEL DE HUNGRIA (17 de Novembro)

Noiva aos 4 anos, casada aos 14, mãe aos 15 e viúva aos 20, Isabel, princesa da Hungria e duquesa da Turingia, encerrou sua vida terrena aos 24 anos a 17 de novembro de 1231. Quatro anos depois o papa Gregório IX a elevava às honras dos altares. Vistas assim, em rápida sucessão, as etapas da sua vida tem a cor de fábula, mas se olharmos para além do quadro oleográfico desta jovem santa, aí descobriremos autênticas maravilhas da graça e da virtude.
Seu pai, o rei André II da Hungria, primo do imperador da Alemanha, a havia prometido para esposa de Luis, dos duques da Turingia, de apenas 11 anos; 9 anos depois foram celebradas as núpcias, e embora tivesse um casamento decidido pelos pais, foi um matrimônio de amor e um feliz entrosamento entre a ascese cristã e a felicidade humana, entre o diadema real e a auréola da santidade. A jovem duquesa suscitou a animosidade da sogra e da cunhada por não querer ir à Igreja adornada com os preciosos atavios da sua casta: "Como poderia - disse candidamente - usar uma coroa tão preciosa diante de um rei coroado de espinhos? "Somente o marido, ternamente enamorado por ela, quis mostrar-se digno de uma criatura tão linda de rosto e de alma e tomou por brasão na sua divisa três palavras que também exprimiram concretamente o programa de sua vida pública: "Piedade, Pureza e Justiça".
Cresceram juntos na emulação recíproca, confortados e sustentados pela devoção; seu amor e a felicidade que dele derivara era um dom sacramental. Confidenciava a jovem duquesa à doméstica e amiga Isentrude: "Se eu amo de tal modo uma criatura mortal, como deveria amar ao Senhor imortal, dono da minha alma?"
Aos 15 anos Isabel teve o seu primeiro filho, aos 17 uma menina e aos 20, outra menina, quando já fazia três semanas que tinha perdido o marido, morto durante a cruzada à qual havia aderido com entusiasmo juvenil. Nessa oportunidade Isabel tinha dado o seu contributo, privando-se de tudo o que possuia para construir um hospital em Marburg, em honra de São Francisco, seu contemporâneo. Ficando viúva, desencadearam-se contra ela os maus humores dos cunhados, que não suportavam sua generosidade para com os pobres. Separaram-na dos filhos e expulsaram-na do castelo de Wartemburg. Então, pôde viver o pleno ideal franciscano de pobreza, entrando na Ordem Terceira, para dedicar-se em absoluta obediência às diretivas de um rígido e intransigente confessor e às atividades assistenciais.
Um Santo para cada Dia
Mario Sgarbossa
Luigi Giovannini.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget

Bate Papo no Blog